sábado, 27 de dezembro de 2008

Boas festas

terça-feira, 23 de dezembro de 2008

Crise mundial

Do diretor de criação de uma agência, sobre a crise mundial.

"Vou fazer um slideshow para você. Está preparado?
É comum, você já viu essas imagens antes.
Quem sabe até já se acostumou com elas.
Começa com aquelas crianças famintas da África.
Aquelas com os ossos visíveis por baixo da pele.
Aquelas com moscas nos olhos.
Os slides se sucedem.
Êxodos de populações inteiras.
Gente faminta.
Gente pobre.
Gente sem futuro.
Durante décadas, vimos essas imagens.
No Discovery Channel, na National Geographic, nos concursos de foto.
Algumas viraram até objetos de arte, em livros de fotógrafos renomados.
São imagens de miséria que comovem.
São imagens que criam plataformas de governo.
Criam ONGs.
Criam entidades.
Criam movimentos sociais.
A miséria pelo mundo, seja em Uganda ou no Ceará, na Índia ou em Bogotá sensibiliza.
Ano após ano, discutiu-se o que fazer.
Anos de pressão para sensibilizar uma infinidade de líderes que se sucederam nas nações mais poderosas do planeta.
Dizem que 40 bilhões de dólares seriam necessários para resolver o problema da fome no mundo.
Resolver, capicce?
Extinguir.
Não haveria mais nenhum menininho terrivelmente magro e sem futuro, em nenhum canto do planeta.
Não sei como calcularam este número..
Mas digamos que esteja subestimado.
Digamos que seja o dobro.
Ou o triplo.
Com 120 bilhões o mundo seria um lugar mais justo.
Não houve passeata, discurso político ou filosófico ou foto que sensibilizasse.
Não houve documentário, ONG, lobby ou pressão que resolvesse.
Mas em uma semana, os mesmos líderes, as mesmas potências, tiraram da cartola 2.2 trilhões de dólares (700 bi nos EUA, 1.5 tri na Europa) para salvar da fome quem já estava de barriga cheia. Bancos e investidores.


Como uma pessoa comentou, é uma pena que esse texto só esteja em blogs e não na mídia de massa, essa mesma que sabe muito bem dar tapa e afagar.

Se quiser, repasse, se não, o que importa? O nosso almoço tá garantido mesmo..."

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

Solução???

Câmara aprova criação do Instituto Brasileiro de Museus e 425 novos cargos

BRASÍLIA - O projeto que cria o Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) foi aprovado nesta quinta-feira pelo plenário da Câmara dos Deputados. De acordo com o texto, o Ibram será uma autarquia federal vinculada ao Ministério da Cultura. A proposta, que também reorganiza o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), segue agora para o Senado.

O projeto também cria 425 cargos efetivos no Ibram. Com a aprovação da proposta, serão necessários R$ 22,2 milhões a mais no orçamento de 2009 para o Ministério da Cultura.

Pelo projeto, o Ibram será responsável pela normatização e fiscalização do patrimônio dos museus brasileiros. Já o Iphan fará a preservação do patrimônio cultural brasileiro, entre eles o natural e o arqueológico.

http://oglobo.globo.com/pais/mat/2008/12/11/camara_aprova_criacao_do_instituto_brasileiro_de_museus_425_novos_cargos-586962292.asp

(divulgação)

sábado, 6 de dezembro de 2008

Sala do Artista Popular expõe o artesanato de Rio de Contas, BA

O Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular / Iphan / Ministério da Cultura inaugura no dia 11 próximo, quinta-feira, às 17 horas, na Sala do Artista Popular, a exposição Um Rio de Contas e tradições, reunindo peças produzidas por artesãos da cidade de Rio de Contas, localizada na Chapada Diamantina, conhecido pólo ecoturístico da Bahia. A mostra ficará em cartaz até 18 de janeiro de 2009.

Objetos em madeira e metal, crivo rústico, renda de parede, couro e de festas populares mostram a diversidade do artesanato baiano e um pouco do vasto universo de tipologias artesanais riocontenses e revelam saberes e fazeres que carregam marcas da identidade de um povo que moldou sua história em torno do gosto pela arte.


A cidade
Rio de Contas é uma das cidades que integram a região da Chapada Diamantina, conhecido pólo ecoturístico da Bahia. Localizando-se a aproximadamente 670 km de Salvador, a localidade reúne um cenário particular por dispor uma exuberante natureza formada de altas montanhas, rios e cachoeiras de águas translúcidas ao lado de um patrimônio cultural rico e diversificado, fruto das trocas simbólicas de seus agentes sociais e do contexto histórico-econômico em que se deu a sua formação.

Um dos expoentes dessa herança cultural é o preservado conjunto arquitetônico, resultante da exploração aurífera que nos séculos XVIII e XIX conferiu aos moradores dias de fausto e riqueza. Um dos principais pontos do extinto Caminho Real, Rio de Contas alcançou o posto de segunda cidade mais importante da Bahia tamanho era seu prestígio político e econômico.

Contudo, essa boa fase foi interrompida por sucessivos fatores: a escassez do ouro
seguida da descoberta de minas de diamante em Lençóis e Mucugê empurraram a cidade para uma profunda estagnação econômica da qual nunca mais conseguiria sair. A decadência concreta, porém, veio à tona com o advento de novos meios de transporte e abertura de novas estradas. Desde então Rio de Contas sobrevive basicamente às custas das atividades agropastoris e da venda de seus renomados produtos artesanais.

Rio de Contas, ao passo que foi se expandindo, ganhou merecido destaque por suas
produções artesanais. Lá eram produzidos correntemente peças de metal e cerâmica, artigos em couro produtos à base de algodão e derivados da cana-de-açúcar como cachaça, açúcar e rapadura. Entretanto, as especialidades que gozavam de fama eram os equipamentos de montaria, os artigos de natureza utilitária e doméstica, a pirotecnia e a ourivesaria. Na tradição oral até hoje se escuta falar que a população acordava com o retinir das bigornas e forjas dos seus inúmeros ferreiros, carpinteiros, sapateiros e latoeiros.

Tanta diversidade de gêneros deu a Rio de Contas o título de Pólo Artesanal do Sertão, uma vez que de lá saíam os produtos que abasteciam toda a região. Nos tempos do escasseamento do ouro e da maciça saída de trabalhadores rumo às minas de diamante
recém-descobertas nas cidades vizinhas, o fabrico dessas artesanias foi intensificado na tentativa de conter a decadência econômica.

Com o tempo, deram-se mudanças nas necessidades do mercado consumidor. Muitos ofícios
foram caindo em desuso até a sua completa extinção. Contudo, outros modos de fazer
parecem ainda sobreviver mais em virtude da paixão pela arte do que como forma de
sustento propriamente dito ao passo que outros foram se adequando e mesmo surgindo frente aos novos tempos anunciados pela atividade turística.

Local:
Sala do Artista Popular Um Rio de Contas e tradições
Inauguração: 11 de dezembro de 2008, às 17h
Até 18 de janeiro de 2009
Exposição e vendas
De terça a sexta-feira, das 11 às 18h
Sábados, domingos e feriados, das 15 às 18h
Rua do Catete, 179 (estação Catete do metrô)
Rio de Janeiro, RJ

(divulgação)

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Museu do Amanhã

24 / 11 /2008 - Museu do Amanhã será instalado no Cais do Porto do Rio
RIO DE JANEIRO, Rio de Janeiro - A região portuária do Rio de Janeiro tem tudo para, em breve, se tornar uma das áreas mais cobiçadas da cidade. Foi anunciada na semana passada a criação do Museu do Amanhã, nos armazéns 5 e 6 do Cais do Porto. O governador Sérgio Cabral participou da apresentação do projeto e assinou, como testemunha, o termo de cooperação técnica firmado com a Companhia Docas do Rio de Janeiro, que cedeu os armazéns para serem transformados em sede do Museu e ajudar a revitalizar a região.

O Museu do Amanhã tem o objetivo enfocar a sustentabilidade e mostrar as conseqüências da relação entre o homem e a natureza, além de provocar no meio social a reflexão sobre as ações humanas no planeta. Em fase de estudos, o museu será um espaço inovador. Para enfocar questões relevantes para a sobrevivência humana e a preservação do planeta haverá salas temáticas. Entre os temas abordados estão: o efeito estufa, o uso racional da água e do solo e as diversas formas de energia.

Previsto para ser inaugurado em 2012, o Museu do Amanhã será mais um atrativo da Cidade Maravilhosa, que recebe anualmente milhares de turistas de todo o mundo.

Fonte: JB
http://www.revistamuseu.com.br/noticias/not.asp?id=18309&MES=/11/2008&max_por=10&max_ing=5#not

I Simpósio de Estudos Contemporâneos

O simpósio acolherá participações de pesquisadores de diversas áreas do conhecimento que abordarão os aspectos históricos e político-sociais dos conflitos contemporâneos nas regiões do Oriente Médio e da África. Deve-se ressaltar que o conceito de conflito adquire um sentido abrangente que contempla não apenas os confrontos bélicos, mas também as disputas no campo da literatura, cultura e religião.

TEMAS NUCLEARES

Conflitos e geopolítica
Estados pós-coloniais
Religião e dinâmicas sociais
Sociedades, culturas e identidades
Fluxos transnacionais e diásporas
Identidades, mídias e literatura

DATA
25, 26 e 27 DE NOVEMBRO DE 2008

LOCAL
AUDITÓRIO DO CFCH
Campus da Praia Vermelha / UFRJ
Av. Pausteur, 250 - Urca, Rio de Janeiro - RJ.

E-mail para contato: simpec2008@hotmail.com

http://www.simpec.blogspot.com/
Governo do Estado de São Paulo
Secretaria de Estado da Cultura
Memorial do Imigrante
Associação Cultural Grupo Volga de Folclore Russo
convidam para exposição:
"A Longa Jornada: Os Russos através do Mundo"

Será inaugurada no sábado, dia 29 de novembro, às 11 horas, a exposição “A Longa Jornada: os Russos através do Mundo”. Em parceria com o Memorial do Imigrante e com apoio do Consulado Geral da Rússia em São Paulo, a Associação Cultural Grupo Volga de Folclore Russo realiza esta exposição com o objetivo de mostrar a diáspora russa e como esses imigrantes preservam suas tradições aqui no Brasil.

A partir do início do século XX, os russos imigraram para diversos países da Europa e da Ásia (especialmente a China), fixando-se nesses lugares.
Porém, as diversas guerras, conflitos e revoluções levaram a uma nova saída em massa, desta vez para a América e Austrália.
Mesmo com tantas mudanças, o povo russo não deixou de cultivar suas tradições até os dias atuais.

Durante o período da exposição, haverá diversas atividades culturais, dando a todos uma oportunidade imperdível de conhecer a riqueza cultural russa. Teremos apresentações de danças, palestras, workshops de culinária e artesanato, assim como exibição de filmes.


SERVIÇO:
Exposição: “ Longa Jornada: os Russos através do Mundo ”
Data: de 29 de novembro de 2008 a 12 de abril de 2009


MEMORIAL DO IMIGRANTE
Rua Visconde de Parnaíba, 1.316, Mooca, perto do Metrô Bresser.
Tel.: (11) 2692.1866
Abre de terça a domingo, das 10h às 17h, inclusive feriados.
Ingressos: R$ 4,00 e ½ entrada para estudantes
Grátis no último sábado do mês e para maiores de 60 e menores de 7 anos

Site: www.memorialdoimigrante.sp.gov.br

domingo, 23 de novembro de 2008

Televisión América Latina

O CONCEITO
A integração latino-americana é um antigo sonho dos povos de nosso continente. Mas não há integração sem confiança. E não há confiança sem conhecimento livre e democrático.

Necessitamos para isso de uma nova perspectiva cultural, baseada no fortalecimento dos laços comuns e no conhecimento mútuo de nossos povos.

Impulsionar este importante processo, tendo como força-motriz a valorização dos elementos que nos distinguem e, ao mesmo tempo, nos identificam como latino-americanos, é o objetivo da TAL.

Canal internacional de conteúdo latino-americano:
Um dos instrumentos centrais é uma televisão pela internet que seja a expressão de nossas culturas e de nossa presença no mundo. Que contribua para o diálogo internacional tanto de nossas comunidades locais quanto de nossas múltiplas diásporas.

A TAL webtv oferece um sistema de conversão do conteúdo da televisão para conteúdo da internet. Tudo livre, sem custos, para atingir o mais amplo espectro geográfico. Com a TAL webtv é possível que o telespectador interagir, dando sua opinião, votando, procurando informações mais detalhadas sobre um determinado assunto, além de decidir individualmente o que e quando quer ver.

TAL: uma televisão educativo-cultural, informativa e instigante, buscando contribuir para o desenvolvimento responsável e sustentado de nosso continente através da consolidação da cidadania livre e ativa.

Rede de Intercâmbio de Conteúdos:
TAL é uma rede latino-americana de comunicação, criada a partir de um banco de conteúdos compartilhados e ações cooperativas entre canais de televisão e instituições educativas e culturais de todos os países e comunidades da América Latina.

TAL inicia como banco de programação de 3000 horas, composto por conteúdos cedidos pelos associados e programas produzidos especialmente para a TAL. Os canais parceiros podem retransmitir os programas em suas próprias grades, depois de veiculados na TAL. Os membros da rede cedem programas, com direito de exibição livre, para a TAL e demais participantes da rede. O material cedido forma o banco de conteúdos compartilhados.

A MISSÃO
A missão maior da TAL é promover a integração cultural, social e econômica do continente através da troca de informações entre os países e os povos da América Latina.

Todo o acervo de conteúdos – composto principalmente por documentários e programas culturais – é exibido sempre em sua versão original, na íntegra, com legendas em português ou espanhol. Qualquer associado pode retransmitir livremente os conteúdos exibidos no PorTAL.

A TAL constitui uma fonte permanente de intercâmbio de conteúdos ao disponibilizar sua programação para a rede de associados. É, portanto, um convite permanente e aberto a toda comunidade produtora ou detentora de conteúdos audiovisuais latino-americanos para que possamos mostrar quem somos.

A TAL é nosso ponto de encontro, agrega todas as correntes do pensamento e da ação. Provoca diálogos dentro da nossa diversidade, entre nossas múltiplas estéticas, nossas inúmeras raízes e etnias.

A TAL busca a convergência dos setores público e privado, do terceiro setor e das organizações internacionais. Um projeto democrático e não comercial, sem hegemonias, sem dominações, que apresenta um formato inédito, cooperativo e multilateral.

A TAL é formada por uma rede de associados em 21 países da América Latina e Ibéria: Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Cuba, El Salvador, Equador, Espanha, Guatemala, Honduras, México, Nicarágua, Panamá, Paraguai, Peru, República Dominicana, Uruguai e Venezuela.

Em setembro de 2003, a rede começou a formar-se através da assinatura do Acordo de Cooperação entre a TAL e canais de televisão, instituições educativas e culturais e produtores independentes em cada um dos países da região.

Em constante crescimento a rede hoje conta com mais de 160 associados diretos, representando um total superior a 500 canais, uma vez que o acordo é também assinado por entidades de representação coletiva.

A TAL é um convite a todos aqueles que desejam participar da integração de nosso continente. O Acordo de Cooperação estabelece uma ação integradora na prática e não apenas no discurso.

A participação dos associados é livre e não envolve qualquer custo ou responsabilidade administrativa. É um convite ao intercâmbio e ao diálogo. Mais do que isso, em favor da valorização das nossas culturas e do reconhecimento de nossas identidades.

http://www.tal.tv/sobretal.asp

(divulgação)

Primavera dos Livros no Museu da República - RJ

Francisco Gregório - Contador de histórias

Brasis

A cidade e a política

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

III Seminário História das Doenças

A produção científica recente, assim como os periódicos e programas de pós-graduação, são importantes indicadores do espaço que a história da saúde e das doenças vem alcançando, revelando um crescente e diversificado universo de projetos e pesquisadores interessados em entender, discutir e comparar as formas como diferentes sociedades se defrontaram e se defrontam com as doenças. Cronistas, literatos e médicos deixaram diversos relatos sobre enfermidades que afligiram homens, mulheres e cidades inteiras, revelando diferentes aspectos sobre a forma como as sociedades reagiam e imprimiam significados a estes eventos. Numa perspectiva mais recente, novos problemas – entre outros, a constituição de agendas de saúde pública, a emergência de novas moléstias, os quadros patológicos predominantes em determinadas épocas, as doenças de grupos específicos, a relação médico/paciente – e novas abordagens – especialmente as que vinculam a doença ao complexo universo da história da cultura e da sociedade – evidenciaram o quanto este é um campo promissor, ampliando nosso entendimento sobre o tema e as possibilidades de diálogo com as sociedades do passado.

Público Alvo: Pesquisadores das universidades e centros de pesquisa brasileiros e estrangeiros e alunos de Pós-Graduação e Graduação nas áreas da Saúde e das Ciências Humanas.
Inscrições
Taxa de inscrição: R$ 50,00 para profissionais e R$ 30,00 para alunos de graduação e pós-graduação.

A taxa de inscrição deve ser depositada na conta: Unibanco - agência 0292 - conta poupança 223.140-8
Após Efetuar o Depósito envie o comprovante para o email: eventosdepes@coc.fiocruz.br .
Para entrar em contato, você pode usar:

Telefone: 55 21 3882-9161
E-mail: eventosdepes@coc.fiocruz.br
Outras informações: http://www.medicina.ufrj.br/IIIsemihd/

(divulgação)

terça-feira, 18 de novembro de 2008

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

I Encontro Ibero-Americano Observatórios de Museus e Centros Culturais

O Observatório de Museus e Centros Culturais tem grande satisfação em convidá-los a participar do I Encontro Ibero-americano Observatórios de Museus e Centros Culturais, nos dias 01 a 04 de dezembro, no Museu Histórico Nacional, com objetivo de debater e compartilhar experiências sobre a produção de informação e de conhecimento para a gestão dos museus.

Para realizar inscrição basta acessar o site do OMCC: www.fiocruz.br/omcc e, uma vez no site, procurar entre as Notícias (à direita).

Participem, inscrevam-se e divulguem, será uma grande oportuniadae para debater e refletir sobre estratégias de construir e compartilhar conhecimentos sobre a relação dos museus com a sociedade reunindo grandes profissionais e cientistas sociais da Ibero-America!

Grande abraço e até lá!
Luciana Sepúlveda Köptcke
Coordenadora do Observatório de Museus e centros Culturais

O I Encontro Ibero-americano Observatório de Museus e Centros Culturais, que foi proposto pelo Observatório de Museus e Centros Culturais (OMCC), é uma realização do Departamento de Museus e Centros Culturais do IPHAN em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz de Brasília.

As inscrições são gratuitas e podem ser realizadas no site do OMCC: www.fiocruz.br/omcc <http://www.fiocruz.br/omcc>

(divulgação)

sábado, 15 de novembro de 2008

Seminário "Cartografias sociais e território"

4 a 5 de Dezembro de 2008
Local: Casa da Ciência da UFRJRua Lauro Muller, 3 – Botafogo - Rio de Janeiro

O ETTERN – Laboratório Estado, Trabalho, Território e Natureza do IPPUR/UFRJ organiza o Seminário "Cartografias sociais e território" no âmbito da pesquisa "Experiências em cartografia social e constituição de sujeitos nos conflitos ambientais".
Este seminário visa fazer um balanço das distintas iniciativas de inclusão de populações locais nos processos cartográficos no Brasil, bem como discutir as estratégias, os quadros conceituais e metodológicos que orientam tais experiências.

PROGRAMA
Quinta-feira, dia 4 de dezembro de 2008
9h00 - Abertura
9h30 às 12h00 – Mesa 1: Cartografia social e mapeamento participativo no Brasil – um panorama
Henri Acselrad (IPPUR/UFRJ), Alfredo Wagner de Almeida (UFAM) , Cloude de Souza Correia (IEB)
13h30 às 15:30h – Mesa 2: Cartografias e tramas territoriais: contextos jurídico-político-fundiários e étnicos dos mapeamentos
Coordenador/debatedor: Frederico Araújo (IPPUR/UFRJ)
Juracy Marques dos Santos (UEBA), Marcelo Moreira (FVA-Fundação Vitória Amazônica), Guilherme Carvalho (FASE-Belém)
15h30 – Intervalo 16h00 às 18h00 – Mesa 3: Financiamento, produção e controle da informação espacial – de quem é o mapa?
Coordenador/debatedor: Carlos Vainer (IPPUR/UFRJ)
Jefferson de Oliveira Salles (ITCG/Paraná), Franklin Plessmann de Carvalho (UFBA), Aurélio Vianna (F. Ford)
18h00 – 19h00 – Vídeos:
1. Mapeamentos Participativos e Povos Indígenas: passo para autonomia ou sujeição à tecno-ecocracia?
2. Amazônia – uma nova cartografia - Iauaretê

Sexta-feira, dia 5 de dezembro de 2008
9h00 às 11h00 – Mesa 4: Técnicas de representação espacial e participação Coordenador/debatedor: Jean Pierre Leroy (FASE)
Julio Macuxi (Conselho Indígena de Roraima), Antonia Pereira Martins (FVPP/Altamira), Jeovah Meirelles (UFC)
11h30 às 12h30 – Mesa 5: Mapeamento do território e organização da sociedade
Coordenadora: Ana Daou (Geografia/UFRJ)
Roberto Martins de Souza (CEMPO/Guarapuava), Ricardo Folhes (Saúde e Alegria/Santarém), Renata Alves (ISA)
14h00 – 15h30 Continuação da mesa 5: Mapeamento do território e organização da sociedade
15h30 - Intervalo
16h00 – Planos diretores e mapeamentos participativos urbanos
Coordenador: Fabrício de Oliveira (IPP)
Carlos Matos (Plano Belterra-PA), Rodrigo Marcelino (ICV-Alta Floresta), Solange Gayoso (NAEA/UFPA)
18h00 Debate geral/encerramento

Inscrições: enviar nome, profissão, instituição e e-mail para:seminariocartografiasocial@yahoo.com.br

(divulgação)

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Samba de Roda 20/11


Seminário Arquivo Nacional


Que Palhaçada é Essa?! Rio de Janeiro - 15/11/2008

Em sua terceira edição, o festival Que Palhaçada é Essa?! promove uma maratona de espetáculos e eventos com os Doutores da Alegria, em atrações gratuitas ou a preços populares em São Paulo, Rio de Janeiro, Recife e Belo Horizonte.
Confira abaixo o que vem por aí no Rio:

SÁBADO - 15/11
14h - Abertura do Evento, Exposição e Ambulatório de Besteirologia.
14:30h - Doutores da Alegria contam causos. Há muito para se contar, o trabalho no hospital dá pano pra manga! Abrimos nossa sede para um encontro entre público e palhaços dos Doutores da Alegria que compartilham suas histórias, pequenos casos de como se tornaram palhaços, como foram suas seleções para fazer parte da equipe dos Doutores, sobre a história do nome de seus palhaços, pequenas gafes ('bolas fora'), acertos ('bolas dentro') e histórias diversas de crianças que marcaram seus dias nos hospitais.
15:30h - Lançamento do Caderno Boca Larfa IV Em seu quarto volume, sob organização de Beatriz Sayad, o Boca Larga apresenta o cotidiano e o processo criativo dos Doutores da Alegria em hospitais, como meio de investigação de sua própria linguagem artística. A publicação contempla palhaços, atores, artistas, estudantes de artes e o público em geral, interessado em conhecer os mecanismos de criação e as escolhas nos jogos cênicos baseados na espontaneidade do encontro e do improviso.
17h - Apresentação de "Troca de Plantão - Experimentações Besteirológicas". A montagem reúne 11 atores do elenco carioca da ONG e se configura não só como um espaço para exibição do trabalho dos Besteirologistas, mas como um meio de divulgação da arte do palhaço.

DOMINGO - 16/11
14h - Conversa Mole com Wellington Nogueira, fundador da ONG. Bate-papo conduzido por Wellington Nogueira apresentando a dinâmica institucional e recordando a história dos 10 anos de Doutores da Alegria no Rio de Janeiro.
15h - Lançamento do Balanço 2008 dos Doutores da Alegria
17h - RetrospecTroca Os melhores momentos do Troca de Plantão, serão apresentados velhos números de antigas duplas que já foram formadas pelos besteirologistas cariocas, inclusive com artistas antigos que não fazem mais parte do elenco.Uma exposição de fotos, ilustrações e relatos desses 10 anos de trabalho no Rio de Janeiro será montada no hall do centro cultural ao longo dos dois dias do evento.

LOCAL: SENAC CopacabanaRua Pompeu Loureiro, 45
Copacabana, Rio de Janeiro
Ingressos gratuitos

Inventário - aquilo que teria sido esquecido se a gente não contasse (Programação paralela)
O Inventário transpõe para o palco cenas inesquecíveis dos dez anos de atuação dos Doutores da Alegria nos hospitais do Rio de Janeiro. Depoimentos comoventes e bem-humorados mostram um pouco da insólita experiência de ser palhaço numa enfermaria de hospital. Em cena, um jogo de improvisação baseado nas memórias dos atores mistura realidade e ficção nas vozes do paciente, do artista, do médico e do palhaço.
Com: Cesar Tavares, Dani Barros, Flávia Reis, Marcos Camelo. Direção: Andrea Jabor e Beatriz Sayad. Produção: Alexandre Boccanera
De 30/10 a 21/12, quinta às 21h30, sexta e sábado às 19h30.
Local: Teatro dos Quatro
Endereço: Rua Marquês de São Vicente, 52 - 2º andar Shopping da Gávea - RJIngressos: R$ 40,00 (inteira) e R$ 20,00 (meia)
Informações: Tel. (21) 2274-9895

http://www.doutoresdaalegria.org.br

sábado, 8 de novembro de 2008

Mostra Internacional do Filme Etnográfico 2008


ETNODOC


quinta-feira, 6 de novembro de 2008

7º Festival de Diversidade Cultural - Rio de Janeiro

Tangolomango une várias linguagens no Circo Voador

El Circo Del Mundo, escola de circo chilena, grupo de dança pernambucano, coletivos e banda de rock do movimento cabaçal são algumas das atrações que farão parte da sétima edição do Festival de Diversidade Cultural, que leva espetáculo compartilhado ao Circo Voador em novembro

Depois do sucesso de 2007, o Tangolomango volta ao Rio de Janeiro com muita música, teatro, dança e circo nacionais, além de um “brinde” chileno. Entre os dias 7 e 10 de novembro, o Circo Voador abriga o evento, que tem como principal proposta reinventar identidades a partir do intercâmbio cultural entre grupos de diversas regiões do Brasil e, agora, de países vizinhos. O festival é sempre marcado por um grande espetáculo aberto ao público, misturando diversas influências e linguagens artísticas. O Tangolomango chega ao Rio depois de ter passado por Fortaleza e ainda a caminho de Salvador.

Este ano, o Tangolomango convida, pela primeira vez, nossos vizinhos latino-americanos a trocarem experiências culturais durante o festival. Para a etapa do Rio, o visitante é El Circo Del Mundo, escola de circo do Chile que vem explorar os usos da arte circense na educação. Os chilenos trarão malabares, tecidos, canções e coreografias diversas e um pouco da história de seu povo.

Na tangolomangada carioca vai ter cearense, paulista, pernambucano, além dos amigos internacionais que formam El Circo Del Mundo. “Manifestem-se”, gritará a dupla paulista do Coletivo MM não é Confete, levando sua mobile webtv live broadcast e dando voz a quem estiver no caminho. Seguindo essa voz estarão os Gigantes pela Própria Natureza, orquestra de rua sobre pernas-de-pau, e os Pandeloucos da AMC, com música da Baixada Fluminense para o mundo. Pernambuco se faz presente nesse coro pelas meninas do balé afro Majê Mole, que dançarão com a Companhia Urbana de Dança, também na roda. O som segue com a orquestra de berimbau que embala o Kina Mutembua enquanto Geraldo Júnior rege um rock/forró para ninguém botar defeito.

Cerca de 200 grupos de jovens, envolvendo três mil participantes de diferentes regiões do país, já integraram as seis edições anteriores do Tangolomango no Rio de Janeiro e as primeiras em Fortaleza e em Recife. O Festival de Diversidade Cultural faz parte do Programa Petrobras Cultural e é uma criação da produtora Mil e Uma Imagens. Mais informações no site
www.tangolomango.com.br.

SERVIÇO:
Rio de Janeiro – de 7 a 10 de novembro
Intercâmbio: 7 e 8
Mesa de debates: 10
Show: Dia 9 (domingo), às 19 horas
Circo Voador
Endereço: Rua dos Arcos, s/n, Lapa
Telefone: (21) 2533.0354
Entrada gratuita

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

GRADE DA PROGRAMAÇÃO do Seminário latino-americano discute justiça de transição

Turno 17/11/08 - UERJ 18/11/08 - UERJ 19/11/08 - AN

Manhã
Conferência de Abertura
Mesa 4
Conferência das Comissões de Reparação e Verdade da América Latina e convidados

Tarde
Mesa 1
Mesa 2
Sessão de Vídeo-debate
Oficina
Conferência das
Comissões de Reparação e Verdade da América Latina e convidados

Noite
Mesa 3
Mesa 5
Conferência de Encerramento
Apresentação da Camerata
Sinfônica da Petrobras*


PROGRAMAÇÃO

17 DE NOVEMBRO, SEGUNDA
9h00 – Abertura
Paulo Abrão Pires Junior - Presidente da Comissão de Anistia/MJ; Emir Sader (CLACSO);
Ricardo Vieralves de Castro (UERJ); Paulo Vannuchi – Secretario Especial de Direitos
Humanos da Presidência da República – Brasil**

10h30 – Conferência de Abertura
Paulo Vannuchi – Secretario Especial de Direitos Humanos da Presidência da República –
Brasil**; Paulo Abrão Pires Junior - Presidente da Comissão de Anistia/MJ;

14h00 – Mesa 1
Iniciativas Latino-Americanas para o "Nunca Mais" e busca da Verdade
Coordenador: Nilmário Miranda, Ex-Secretário Especial de Direitos Humanos da Presidência da
República – Brasil; Álvaro Rico – Equipo de Investigación Histórica sobre Detenidos Desaparecidos – Uruguai; José Nascimento Junior – Instituto do Patrimônio Histórico e
Artístico Cultural – IPHAN – Brasil; Martin Almada – Jurista, Ex-consultor da UNESCO para a América Latina, responsável pela localização dos arquivos do terror – Paraguai; Peter
Kornbluh – Representante do National Security Archive da Universidade de George Washington – Estados Unidos

16h – Coffee Break

16h30 – Mesa 2
Gestão Política, Administrativa e Histórica dos Arquivos da Ditadura Militar: a luta pelo direito
à memória e à informação
Coordenadora: Maria Luiza Tucci Carneiro, Historiadora do Departamento de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH/USP) e Coordenadora do Projeto Integrado Arquivo Público do Estado (PROIN/USP) – Brasil; Ana Maria de Almeida Camargo – Pesquisadora e Professora da Universidade de São Paulo (USP) – Brasil; Jaime Antunes da Silva – Diretor-Geral do Arquivo Nacional e Coordenador do Projeto Memórias

*Atividade Cultural
Reveladas – Brasil; Ramon Alberch Fugueras – Membrofundador dos Achiveros sin Fronteras y Coordenador del Projeto de Recuperación de los Archivos de las Ditaduras Militares del Conosul – Espanha

19h30 – Mesa 3
Estado Democrático de Direito, Organizações Internacionais e Sistemas de Proteção de Direitos
Humanos
Coordenador: Marco Antonio Rodrigues Barbosa, Presidente da Comissão Especial de Mortos e
Desaparecidos do Brasil – Brasil; Cecilia MacDowell Santos – Pesquisadora do Centro de Estudos Sociais, Universidade de Coimbra (Portugual) e Professora Associada do Departamento de
Sociologia, Universidade de São Francisco (Califórnia, EUA); Deisy de Freitas Lima Ventura –
Professora do Instituto de Relações Internacionais da Universidade de São Paulo (IRI-USP) e do Programa de Pós-Graduação em Direito da UNISINOS – Brasil; Patricia María Tappatá de Valdez – Diretora do Projeto Memoria Abierta – Argentina; Xavier Aguirre – Representante do
Tribunal Penal Internacional em Haia – Holanda


DIA 18 DE NOVEMBRO, TERÇA
9h00 – Mesa 4
Silêncio, Tempo e Memória: experiências de participação política e resistência na América
Latina
Coordenador: Silene de Moraes Freire – Professora da Universidade do Estado do Rio de
Janeiro (UERJ), Coordenadora do Programa de Estudos de América Latina e Caribe (PROEALC) e do Centro de Ciências Sociais da UERJ – Brasil; Gerardo Caetano – Diretor do Instituto de Ciência Política da Universidad de la República – Uruguai; Hélio Bicudo – Ex-Presidente da Corte Interamericana de Direitos Humanos – Brasil; Silvana Turner – Antropóloga e Representante da Equipe Argentina de Antropologia Forense; Viviana Krsticevic – Diretora-Executiva do Centro pela Justiça e pelo Direito Internacional (CEJIL) – Estados Unidos

14h00 – Sessão de Vídeo-Debate

16h30 – Coffee Break

17h00 – Oficina
O Sistema Interamericano e a Luta contra a Impunidade
Beatriz Affonso – Coordenadora do Programa Brasil do Centro pela Justiça e pelo Direito Internacional (CEJIL) – Brasil; Sofia Macher – Representante do Conselho Nacional
de Reparações – Peru; Viviana Krsticevic – Diretora-Executiva do Centro pela Justiça e pelo Direito Internacional (CEJIL) – Estados Unidos

19h30 – Mesa 5
Poder Judiciário e Justiça de Transição na América Latina
Coordenador: Marlon Alberto Weichert, Procurador da República – MPF – Brasil; Belisário Santos Junior – Advogado e Conselheiro da Comissão de Mortos e Desaparecidos – Brasil; César Landa – Magistrado do Tribunal Constitucional – Peru; Gabriel Arias – Centro Internacional
para a Justiça Transicional (CIJT) – Colômbia; Kenarik Boujikian Felipe – Juíza Criminal/SP e integrante da Federação Latino-Americana de Juízes para a Democracia – Brasil;
Luiz Jorge Werneck Vianna – Professor do Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro (IUPERJ) – Brasil


DIA 19 DE NOVEMBRO, QUARTA
9h00 – Conferência das Comissões de Reparação e Verdade da América Latina e convidados
- Comissão de Reparação e Verdade (África do Sul) – Comissão Externa Convidada
- Comissão Nacional sobre o Desaparecimento de Pessoas (Argentina)
- Comissão de Anistia (Brasil)
- Comissão de Mortos e Desaparecidos Políticos (Brasil)
- Comissão Nacional de Verdade e da Reconciliação (Chile)
- Comissão de Reparação e Conciliação (Colômbia)
- Comissão para a Paz (Uruguai)
- Comissão sobre Verdade e Justiça (Paraguai)
- Fundação Myrna Mack (Guatemala)
- Instituto de Direitos Humanos da Universidade Centro Americana - IDHUCA (El Salvador)
- Conselho Nacional de Reparações (Peru)
- demais convidados observadores

16h00 – Coffee Break

16h30 – Continuação da Conferência das Comissões de Reparação e Verdade da América
Latina e convidados

19h30 – Conferência de Encerramento Representante da Corte Interamericana de Direitos
Humanos da Organização dos Estados Americanos (OEA)

Composição da Mesa de Encerramento:
Tarso Genro, Ministro da Justiça; Paulo Abrão Pires Junior (CA/MJ); Emir Sader (CLACSO); Ricardo Vieralves de Castro (Reitor da UERJ); Jaime Antunes da Silva (Arquivo Nacional)

21h00 – Atividade Cultural
Apresentação da Camerata
Sinfônica da Petrobras

O Rio de Machado


domingo, 2 de novembro de 2008

sábado, 1 de novembro de 2008

I Festival de Filmes de Pesquisa


2° ENCONTRO COM MESTRES POPULARES NA UFRJ.

DE 4 A 7 DE NOVEMBRO.
Na Cidade Universitária, Ilha do Fundão-RJ.

CONVIDADOS: BATUQUE DE UMBIGADA FOGO VERDE-SP, JONGO DO QUILOMBO CAFIMBINHA-ES, FADO DE QUISSAMÃ-RJ, CIRANDAS DE TARITUBA-RJ, CAXAMBÚ DE SANTO ANTÔNIO DE PÁDUA-RJ, FOLIA DE REIS MANJEDOURA DA MANGUEIRA-RJ, CAXAMBÚ DO SALGUEIRO-RJ E BOI DE PARADA LUCAS-RJ.

OFICINAS , PALESTRAS, DEBATES COM MESTRES.

INSCRIÇÕES GRATUITAS PELO EMAIL: encontrocommestresufrj@oi.com.br
site: www2.eefd.ufrj.br/ciafolc

(divulgação)

quinta-feira, 30 de outubro de 2008


segunda-feira, 27 de outubro de 2008

DOAÇÃO DE SANGUE

Olá a todos,

estamos formando um grupo para doar sangue no INCA, Hospital da Cruz Vermelha, no dia 22 de novembro (sábado), às 10h da manhã. Obrigada aos que puderem participar conosco.

Orientações para doadores de sangue
Há critérios que permitem ou que impedem uma doação de sangue, que são determinados por normas técnicas do Ministério da Saúde, e visam à proteção ao doador e a segurança de quem vai receber o sangue.

O doador deve:
- trazer documento oficial de identidade com foto (identidade, carteira de trabalho, certificado de reservista, carteira do conselho profissional ou carteira nacional de habilitação);
- estar bem de saúde;- ter entre 18 e 65 anos;
- pesar mais de 50Kg;
- não estar em jejum; evitar apenas alimentos gordurosos nas 4 horas que antecedem a doação.

Impedimentos temporários:
- Febre
- Gripe ou resfriado
- Gravidez
- Puerpério: parto normal, 90 dias; cesariana, 180 dias
- Uso de alguns medicamentos
- Pessoas que adotaram comportamento de risco para doenças sexualmente transmissíveis

Cirurgias e prazos de impedimentos:
- Extração dentária: 72 horas
- Apendicite, hérnia, amigdalectomia, varizes: 3 meses
- Colecistectomia, histerectomia, nefrectomia, redução de fraturas, politraumatismos sem seqüelas graves, tireoidectomia, colectomia: 6 meses
- Ingestão de bebida alcoólica no dia da doação
- Transfusão de sangue: 1 ano
- Tatuagem: 1 ano
- Vacinação: o tempo de impedimento varia de acordo com o tipo de vacinaImpedimentos definitivos
- Hepatite após os 10 anos de idade
- Evidência clínica ou laboratorial das seguintes doenças transmissíveis pelo sangue: hepatites B e C, AIDS (vírus HIV), doenças associadas aos vírus HTLV I e II e Doença de Chagas
- Uso de drogas ilícitas injetáveis
- Malária

Intervalos para doação:
- Homens: 60 dias (até 4 doações por ano)
- Mulheres: 90 dias (até 3 doações por ano)

Nunca doe sangue se você quiser apenas fazer um exame para AIDS. Neste caso, procure um Centro de Testagem Anônima e gratuita. Informe-se pelo Disque-Saúde: 0800-61-1997 ou pelos Centros de Testagem Anônima.

Cuidados pós-doação:
- Evitar esforços físicos exagerados por pelo menos 12 horas
- Aumentar a ingestão de líquidos
- Não fumar por cerca de 2 horas
- Evitar bebidas alcóolicas por 12 horas
- Manter o curativo no local da punção por pelo menos de 4 horas
- Não dirigir veículos de grande porte, trabalhar em andaimes, praticar paraquedismo ou mergulho

Em caso de dúvidas, entrar em contato com o Serviço de Hemoterapia do INCA pelo telefone 2506-6021 / 2506-6580 / 2506-6064.

Onde doaremos:
Hospital do Câncer I (Unidade Hospitalar do INCA)Praça Cruz Vermelha, 23 / 2° andar - Centro - Rio de Janeiro
Horário: segunda a sexta-feira das 7h30 às 14h30; sábado das 8h às 12h
Para doação de plaquetas é necessário agendar pelo telefone 2506-6064

"Eles não usam black tie"

O Cineclube Casa da América Latina apresenta dia 28/10 — 3a.feira às 18:00 horas, no Clube de Engenharia ( Avenida Rio Branco, 124,19º andar — Centro do Rio ), o filme "Eles não usam black tie" (Brasil — 1981 — 120 min.)

Vale a pena assistir. A direção é de Leon Hirszman e entre os atores estão Gianfrancesco Guarnieri, Fernanda Montenegro, Carlos Alberto Riccelli, Bete Mendes, Léila Abramo, Milton Gonçalves, Rafael de Carvalho, Paulo José, entre outros.

Sinopse: A trama debruça-se sobre os conflitos, contradições e anseios da classe operária brasileira no fim dos anos 1970, no auge da ditadura militar. Em pólos antagônicos, como alternativa de vida para os trabalhadores, encontram-se a esperança na ação coletiva e a aposta nas saídas individuais. Baseado em peça homônima de Gianfrancesco Guarnieri escrita duas décadas antes, o filme de Leon Hirszman cativou o público e a crítica e recebeu várias premiações, entre as quais se destacam o Grande Prêmio Especial do Júri e o Prêmio da Federação Internacional da Imprensa Cinematográfica (Fipresci) no Festival de Veneza de 1981.

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

2o Encontro Museus e Patrimônio na construção de outro mundo possível

Companheiros(as),

Vamos dar continuidade a belíssima discussão que iniciamos este ano com a realização do Encontro “Museus e Patrimônio na construção de outro mundo possível” nos 24 e 25 de janeiro de 2008 – Rio de Janeiro – CCH – UNIRIO.

Para tanto, convidamos a todos para participar da reunião preparatória do 2º Encontro a ser realizada dia 06 de novembro de 2008, às 17 horas, no, CCH da UNIRIO.

Ressaltamos que a participação de todos é fundamental no sentido de fortalecer a esperança de envolver, definitivamente, os museus e os patrimônios nessa construção possível. Para nós, essa é uma medida urgente. Não pode esperar.

Com efeito, Paulo Freire nos adverte que: “Enquanto necessidade ontológica a esperança precisa da prática para tornar-se concretude histórica. É por isso que não há esperança na pura espera, nem tampouco se alcança o que se espera na espera pura, que vira, assim, espera vã”.

Um fraternal abraço,

terça-feira, 21 de outubro de 2008

Artistas mineiros expõem no Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular

Sete artistas dos municípios de Januária e de Cônego Marinho, situados no norte de Minas Gerais, vão expor, a partir do dia 23 de outubro, às17h, na Sala do Artista Popular (SAP) do Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular (CNFCP), trabalhos que retratam a paisagem geográfica e cultural, tipos humanos e sociais da região e que têm em comum a referência ao rio São Francisco e sua importância tanto para vida social, para as cidades ribeirinhas e para o desenvolvimento da região, quanto para o imaginário da população em geral e dos próprios artistas. A mostra Imagens do São Francisco, resultado de parceria entre o CNFCP e o Centro de Artesanato de Januária, ficará em cartaz até 23 de novembro. Estarão expostas e à venda esculturas em madeira de Lucindo Barbosa dos Santos, Carlos Roberto Barbosa de Souza, Sílvio de Almeida e José Francisco Lopes Figueiredo; tipos humanos feitos de pasta de papel, barro e cola de Valdir Rodrigues da Silva; aquarelas de paisagens, cenas e tipos humanos regionais de Carlos Roberto Gonçalves; e pinturas a óleo de Ricardo Pereira Alves.

Sala do Artista Popular
Imagens do São Francisco
Inauguração: 23.10.2008 / Até 23.11.2008
Exposição e vendas
De terça a sexta-feira, das 11 às 18h
Sábados, domingos e feriados, das 15 às 18h
Rua do Catete, 179 (estação Catete do metrô)
Rio de Janeiro, RJ

(divulgação)

Chamada para artigos

A Revista Historia Social da Unicamp abre chamada de artigos, resenhas, transcricoes, traducoes e entrevistas para sua edicao numero 15 - Dossie "Poder e Repressao", ate' dia 10/11/2008. Mais informacoes em http://br.geocities.com/revhistoriasocial/.

(divulgação)

Exposição: África? na UERJ


terça-feira, 14 de outubro de 2008

MAST discute a importância dos museus para a educação

O Museu de Astronomia e Ciências Afins (MAST), no âmbito do ciclo de palestras MAST Colloquia, discutirá a dimensão educativa dos museus com foco nos museus de ciência e tecnologia. A palestra Museologia e Educação vai ocorrer no dia 21 de outubro, às 14h30, com Maria Esther Alvarez Valente, da Coordenação de Educação do MAST.

Quem não puder participar presencialmente terá a oportunidade de acompanhar o MAST Colloquia pela internet. No dia do evento, a palestra será transmitida pelo site http://www.mast.br/, com suporte da Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP). Os interessados ainda poderão fazer perguntas através do e-mail perguntas@mast.br.

A palestra acontecerá no auditório do Museu de Astronomia e Ciências Afins, na Rua General Bruce, 586, Bairro Imperial de São Cristóvão, Rio de Janeiro, RJ. A entrada é gratuita.Mais informações pelo e-mail mailto:%22mast@mast.br%22 ou pelo telefone (21) 2580-0970.

(divulgação)

Encontro sobre História, Memória e Cultura. Afrodescendente.


Forum UNESCO

University and Heritage - Universidad y Patrimonio (FUUP) es un proyecto de la UNESCO para la realización de actividades para la protección y salvaguarda del patrimonio cultural, a través de una red informal de instituciones de educación superior. FUUP está bajo la responsabilidad común del Centro de Patrimonio Mundial de la UNESCO y la Universidad Politécnica de Valencia (UPV), España. Este sitio web no es un sitio oficial de UNESCO, sino un sitio web creado y gestionado por la UPV en el marco del proyecto FUUP.

Para maiores informações e adesão entre http://universityandheritage.net/esp/index.html

(divulgação)

domingo, 12 de outubro de 2008

A formação territorial do Rio de Janeiro - Palestra

Na próxima 5ªf, dia 16, às 16h, o Ciclo de Palestras que a Biblioteca Pública do Estado do Rio de Janeiro vem promovendo debaterá “A formação territorial do Rio de Janeiro”. Na oportunidade, a pesquisadora Fania Fridman apresenta resultados da pesquisa dedicada ao estudo da história urbana e territorial do Rio de Janeiro, desenvolvida pelo Grupo de Estudos do Território e de História Urbana (Gesthu-IPPUR/UFRJ).

Formada em Economia, mestre em Planejamento Urbano e Regional e doutora em Economia Política, Fania Fridman é professora do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IPPUR/UFRJ), pesquisadora do CNPq e Cientista do Nosso Estado, da Fundação Carlos Chagas de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (FAPERJ). Autora dos livros Donos do Rio em nome do Rei (Jorge Zahar Editor) e Paisagem Estrangeira (Casa da Palavra), recebeu o prêmio Jhon M. Tolman da Brazilian Studies Association.

A pesquisa dedicada ao estudo da história urbana e territorial do Rio de Janeiro e desenvolvida no Grupo de Estudos do Território e de História Urbana (Gesthu-IPPUR/UFRJ) será apresentada em duas partes. A primeira será sobre a abertura de caminhos, a doação de sesmarias e a instalação de aldeamentos, postos de fiscalização, bases de defesa, freguesias, quilombos, vilas, cidades, núcleos coloniais e comarcas. O momento seguinte será dedicado ao processo de acumulação e de gestão dos patrimônios dada a suposição relacionada ao papel indutor na ocupação desempenhado pelos proprietários fundiários e funcionários do urbanismo - as ordens religiosas, os membros da Câmara, os engenheiros militares, os nobres e os cavaleiros d El Rei no período colonial - até o aparecimento de novos agentes no século XIX, que assumiram a modelagem não só da ordem urbana mas do território - o capital imobiliário, os novos proprietários fundiários, a burocracia ministerial, os deputados da Assembléia Provincial e as Sociedades Promotoras de Colonização. Durante a palestra está prevista a exposição de mapas, croquis e iconografia de época.

Dia 16 de outubro (5ª feira), Horário: 16h
Biblioteca Pública do Estado do Rio de Janeiro
Av. Presidente Vargas, 1261 – Centro
tel. 2224-6184
Entrada fraca

http://www.bperj.rj.gov.br/

(divulgação)

Atual e moderno: Machado de Assis ganha novas versões em hipertexto

Por Vilma Homero.

Apesar de declaradamente um homem cético, o autor de Brás Cubas faz em sua obra numerosas citações à Bíblia, tanto do Antigo quanto do Novo Testamento. São de longe as alusões mais freqüentes em seus livros. É mais um dos aspectos curiosos sobre o escritor carioca que a pesquisadora Marta de Senna, da Casa de Rui Barbosa, abordará em congresso na Universidade de Yale, nos Estados Unidos. Mas não será apenas em Yale que os cem anos da morte do Bruxo do Cosme Velho serão lembrados. Machadianos de diversos países se reunirão em seminários e congressos em diversas universidades nacionais e estrangeiras, mostrando que o escritor, que pouco saiu do Rio de Janeiro, é também bastante reverenciado no exterior.

Professora de Teoria Literária e Literatura Comparada, Marta de Senna estará presente em algumas dessas comemorações. Com apoio da Faperj, ela embarcou semana passada para os Estados Unidos, onde estará entre os vários especialistas estrangeiros – um deles falará, inclusive, sobre a recepção dos livros do autor brasileiro nos Estados Unidos – que apresentarão palestras sobre os diferentes aspectos da obra machadiana na American Portuguese Studies Association, na Universidade de Yale.

O centenário do fundador da Academia Brasileira de Letras tem mesmo despertado manifestações da comunidade acadêmica internacional. Tanto que universidades como a de Princeton, nos Estados Unidos, homenageiam este ano o mérito literário do Bruxo do Cosme Velho em grandes eventos. Como estudiosa de sua obra, Marta foi convidada a fazer duas palestras na Universidade de Princeton, uma no Programa de Estudos Latino-Americanos e outra para os alunos de pós-graduação em Literatura Brasileira. Ela estará ainda nas comemorações nas universidades de Chicago no início do próximo ano.

Se vivo fosse, Machado talvez ficasse encabulado com tantas celebrações em torno de seu nome. Sempre discreto, pouco se sabe sobre sua vida pessoal. Depois de haver concluído a formação de uma base de dados, disponibilizada no site de busca da Internet (www.machadodeassis.net), a pesquisadora reuniu uma quantidade enorme de material. O site, iniciado em 2005 com recursos do CNPq, só foi ao ar oficialmente em 2008. Mas deu à pesquisadora a idéia de fazer o desdobramento do projeto, desenvolvendo, com apoio de um APQ1, da FAPERJ, a edição dos nove romances do autor de Dom Casmurro, e em seguida de seus contos, como hipertexto.
"Essa também está sendo uma forma de se utilizar todo o material que não pôde ser inicialmente aproveitado no site. Muitas informações que não cabia ser incluídas no banco de dados entrarão nos balões explicativos do hipertexto. Isso permitirá incontáveis desdobramentos", explica.

O autor mais citado em seus romances é o inglês Shakespeare, com 131 citações, seguido por Homero, Camões e Dante, nesta ordem. "Vindo de um background humilde, filho de um liberto e de uma lavadeira (ou costureira, segundo alguns) portuguesa, percebe-se que sua capacidade de assimilar conhecimentos é excepcional", comenta a pesquisadora. Sua origem pobre e o fato de que Machado teve seus primeiros escritos publicados aos quinze anos sempre intrigaram os estudiosos, que muito especulam a respeito.

Pistas sobre sua vida ajudam a conhecer sua obra e vice-versa. Para Marta, com base no que se conhece sobre Machado, pode-se imaginar que seu domínio da literatura indica que, apesar da origem socioeconômica, sua família tinha acesso a livros. "Só o fato de seus pais serem alfabetizados já os coloca numa certa elite, já que grande parte da população, fossem escravos, fossem brancos livres, não sabia ler", fala. Outra hipótese é sobre sua madrinha, proprietária da chácara do Livramento, onde os pais eram agregados. "Viúva de um senador do império, ela provavelmente identificou nele um talento precoce e é possível que lhe tenha permitido acesso a sua biblioteca", fala. Talvez até sua ajuda tenha ido um pouco além. O domínio dos idiomas francês e inglês, que Machado demonstra desde cedo e que lhe possibilitou tornar-se um bom tradutor de obras de Dickens, Vitor Hugo e Poe, também indica que a madrinha pode ter lhe proporcionado aulas e livros.

A favor dessa hipótese, Marta cita a passagem que aparece em uma das novelas de Machado, Casa Velha, que seus biógrafos dizem ter sido inspirada na casa da madrinha. No livro, uma cena que acontece na biblioteca pode sinalizar para uma biblioteca com a qual Machado teria tido contato desde criança. "Talvez o temperamento reservado e orgulhoso de Machado o tenha impedido de revelar o quanto foi beneficiário da estrutura do "favor", que vigorava à sua época. Como agregados da chácara do Livramento, seus pais, e principalmente o jovem Machadinho, deviam ter certas regalias", acredita Marta.

A pesquisadora especula ainda que à medida que vai ganhando maturidade como escritor, seus livros também vão ganhando um sotaque cada vez mais lusitano. "Memorial de Aires é o romance em que esse sotaque português é mais forte. O fato de ter tido uma mãe portuguesa talvez contribuísse para essa pureza no idioma", admite. Todas essas hipóteses são formuladas a partir do cruzamento das informações que vêm sendo minuciosamente coletadas e analisadas pela pesquisadora para o banco de dados e incluídas no hipertexto. "Esse é um trabalho que não termina nunca", resume Marta.

http://www.faperj.br/boletim_interna.phtml?obj_id=4958

(divulgação)

quarta-feira, 8 de outubro de 2008


Periódico Museologia Hoje

Apresentação
O Periódico Museologia Hoje é semestral e apresenta papers, relatos e breves ensaios de profissionais de museus e pensadores da Museologia e do patrimônio no Brasil. Temos como objetivo inaugurar um fórum de debates sobre as questões que envolvem os museus, a Museologia e o patrimônio na atualidade, de forma a incentivar autores a exprimirem opiniões acerca dos mais diversos tópicos, expondo pontos de vista específicos em relação a estes campos de estudo. A Museologia Hoje, ligada ao Grupo de Trabalho brasileiro do Subcomitê Regional de Museologia para a América Latina e o Caribe (ICOFOM LAM / GT BR), acredita no confronto de idéias e na apresentação de olhares diferenciados como meio para o desenvolvimento de um campo disciplinar que ainda muito tem a crescer no país.

Como Participar?
Este periódico recebe, somente via e-mail (museologiahoje@gmail.com ), breves artigos científicos, relatos de experiências, desde que respeitem a temática chave deste Magazine: Museus e Museologia na atualidade . Os interessados poderão enviar trabalhos que possuam a seguinte formatação: Fonte Arial, 11/ Formato A4/ Em até 3 páginas/ espaçamento simples / imagens em JPG, GIF ou PNG. Notas de Rodapé.

O periódico Museologia Hoje disponibilizará trabalhos, os quais servirão de suporte para novas pesquisas, além de ser este um paço de difusão de idéias.

http://www.museologiahoje.com.br/index.html

(Divulgação)

quinta-feira, 2 de outubro de 2008

Museu Vivo do Fandango



Para maiores informações:

http://www.museuvivodofandango.com.br/main/home.htm

Estamira

Documentário conta a história da mulher que luta para ganhar a vida e escapar da insanidade no lixão de Gramacho, no Rio, vivendo entre os restos e os descuidos de todos nós.

Comentário de Rafael Evangelista.

Estamira é uma senhora de 63 anos que divide sua vida entre um barraco na velha Rio-Santos e o Aterro de Gramacho, onde se aventura tentando separar o que encontra de aproveitável e os materiais irremediavelmente podres e inúteis que lá ficarão acumulados. É atormentada por distúrbios mentais que a fazem ouvir vozes, ver coisas e ter acessos quase descontrolados de fúria. Tem três filhos, dois deles criados em parte com o dinheiro conseguido no lixão.

Marcos Prado, diretor do documentário que toma emprestado o nome dessa mulher, a conheceu fazendo fotos em Gramacho. Em troca de posar para alguns instantâneos, Estamira pediu que o então fotógrafo sentasse a seu lado e com ela conversasse por alguns minutos. Foi o suficiente para que Prado ficasse fascinado com o que, mais tarde, chamou de “cosmologia de Estamira”: a visão de mundo, misturada com delírios e juízos da personagem, que se indigna contra o “trocadilo”, o “poderoso ao contrário” e que vê as estrelas e a Lua presentes aqui na Terra, sendo o céu apenas um reflexo, espelho do que está embaixo.

Não é um filme fácil. Os vinte primeiros minutos são dedicados exclusivamente aos delírios da personagem, tendo o lixão como cenário. Em belas cenas filmadas ora no preto e branco de uma Super 8, ora com o colorido vivo de uma câmera que parece publicitária, ouvimos a voz da personagem filosofar sobre o que se usa, o que se tem, o que se guarda e o que se joga fora, e vemos as primeiras imagens de seus companheiros de trabalho, outros idosos vivendo do lixo e com quem Estamira parece ter melhores relações do que com sua própria família.

É nesse início que encontramos, possivelmente, a chave para o filme. Diz Estamira sobre o que se encontra em Gramacho: “às vezes é só resto, às vezes vem, também, descuido”. Descobriremos depois que isso não vale apenas para os objetos que lá estão, mas também para as pessoas: no lixão circulam restos de vidas e pessoas que não foram cuidadas.

Marcos Prado nos leva então, vagarosamente, a entrar na história de vida e da loucura de Estamira. Foi levada a um prostíbulo pelas mãos do avô, aos 12 anos. Saída de lá aos 17 para casar-se, passou a ser traída pelo marido, após um breve período de estabilidade. Por meio de um novo casamento, foi parar no Rio de Janeiro. O novo marido, com quem teve o segundo filho, além de a trair, a fez internar em um hospício a própria mãe, também doente mental. Depois de intensas brigas com o marido, saiu de casa e sua primeira providência foi tirar a mãe do Hospital Pedro II, sanatório psiquiátrico reconhecido, até os anos 80, pelos maus tratos a seus pacientes. Foi, ainda, estuprada pelo menos duas vezes.

Depois disso tudo, passou a ter seus delírios. A mente parece ter encontrado uma trajetória de escape pelas alucinações. Sua grande revolta é contra Deus e a religião. As cenas em que grita intensamente contra o filho, o neto, ou qualquer pessoa que fale em religião causam mal estar. Estamira indigna-se contra quem não cuidou do mundo, que permite que tudo esteja ao contrário, o “poderoso ao contrário”. Diz ser comunista. Não que queira que todos tenham o mesmo trabalho e comam a mesma coisa, mas que exista igualdade.

São os momentos coléricos de Estamira contra a religião que quebram, por minutos, a estetização que o filme faz, mesmo que involuntariamente, do lixão e da loucura. O vento forte, a chuva, o imenso espaço tomado pelo lixo em Gramacho, oferecem ao diretor a matéria-prima para construir – para o espectador que está confortavelmente sentado em sua poltrona e que não sente o mau cheiro, a sensação de insegurança, o frio ou o calor do lugar real – imagens belíssimas. Do mesmo modo, a paixão e a intensidade com que Estamira defende sua “cosmologia”, fazem com que a loucura possa ser lida pelo espectador como genial, filosófica, verdadeira e essencial.

No documentário propriamente dito, o objeto não é o lixo, e sim a vida e as relações de Estamira. Para quem quer conhecer mais sobre o lugar de trabalho da personagem mais interessante (ou inerentemente complementar) é o média metragem Estamira para todos e para ninguém, incluído no DVD duplo disponível nas locadoras. Nesse média-metragem, podemos ver traços da história de outros trabalhadores de Gramacho. Alguns são idosos como Estamira e também têm história de “descuidos” na vida: são alcoólatras, foram abandonados pelos parceiros, não conseguem trabalho. Então, entende-se porque Estamira ficou melhor ao começar a frequentar o lixão – como conta a filha em determinado momento – encontrou um ambiente de companheirismo e cumplicidade, de pessoas que buscam a dignidade ao ganharem a vida.

Outro filme interessante sobre o lixo é Ilha das flores, curta-metragem de Jorge Furtado que já pode ser considerado clássico. O curta mostra a trajetória de um tomate que, plantado, colhido, vendido no supermercado e descartado pela compradora, vai parar no lixo. De lá, é selecionado pelos trabalhadores de uma fazenda para servir de comida aos porcos, enquanto o que sobra disso, o que é pior que um tomate podre, serve de comida a pessoas que não têm dono (como os porcos) ou não têm dinheiro (como o dono dos porcos ou os consumidores do supermercado). São esses os personagens de Estamira e, principalmente, de Estamira para todos e para ninguém: os sem dinheiro, os mal tratados, aqueles que, como diz Estamira, foram libertos, mas para quem não se deu nem trabalho nem terra.

http://www.comciencia.br/comciencia/handler.php?section=8&tipo=resenha&edicao=32

O uso criativo do lixo

Por Tereza Miriam Pires Nunes

Desde criança, fazer brinquedos e jogos com as tralhas do quintal, era um exercício natural com uma dúzia de irmãos, onde alguns eram mais criativos e ousados, outros mais intelectuais e reservados, mas todos interagiam proporcionando momentos riquíssimos de aprendizagem.

Lembro-me dos carrinhos de rolimã, patinete, casinhas de boneca com fogão de tijolos e fogo de verdade, jogo da trinca, trilha, velha, 5 pedrinhas (5 Marias), amarelinhas riscadas (ora com carvão, ora com caco de telha ou gesso de construção), queimada com bolas de meia ou jornal... O que não valia mesmo era ficar sem brincar.

Cresci re-utilizando roupas e tudo mais que meus dez irmãos mais velhos deixavam de usar. Muitas vezes, colocava um adereço na roupa ou no objeto que ficavam com aparência de novos, e a satisfação de fazer algo inédito não tinha preço.

Ao entrar no mundo da criança, percebo que não é preciso $$$$(dinheiro) para comprar todas as novidades que a mídia oferece. A criatividade usada num brinquedo e as coisas feitas com as próprias mãos são muitas vezes mais satisfatórias que ganhar um brinquedo caro, “bonito” e sem significado.

Se eu pudesse falar algo que tocasse os corações dos adultos, educadores e pais, eu diria que o que conta muito é com o que a criança brinca, como foi feito o brinquedo, o jogo e com quem foram partilhados esses momentos.

Valorizo muito o resgate de brinquedos e brincadeiras folclóricas, porque acredito que é um passo importante nos dias de hoje, já que brincar na “rua” tornou-se inviável e deve ser substituído pelo brincar na escola, no condomínio, no clube, na praça ou outro local.

Em 1980, dei início à minha profissão de professora na Prefeitura de Campinas e a realidade era uma carência de materiais que me instigava a buscar sucatas. Senti necessidade de recursos especiais, porque passei a trabalhar com crianças que apresentaram dificuldades de aprendizagem.

Virei a “Rainha da Sucata” em várias unidades escolares que trabalhei, muitas colegas compartilhavam as novidades e trocávamos experiências que deram certo. Empenhei meus esforços e dediquei-me ao reaproveitamento dos materiais descartados, porque percebi que isso valorizava meu trabalho pedagógico e hoje, não mais em sala de aula, ministro cursos para os educadores que usam a prática lúdica, trocando suas tentativas e experiências nesta maneira simples e criativa de fazer jogos, brinquedos, bandinhas, adereços, presentes e outras coisas mais, com a re-utilização de todo tipo de material.

Em 2003, fui convidada para integrar a equipe do Programa de Educação Ambiental da Secretaria de Educação, onde desenvolvi uma oficina: “Recriando com arte”, com brinquedos, jogos e bandinha de sucata. A criatividade não tem fim: Iniciei a montagem de uma eco-brinquedoteca itinerante e fui levando às escolas as idéias que colhia aqui e ali, por onde passava. Esta brincadeira virou coisa séria, aumentando de uma caixa de jogos, brinquedos e bandinha para 8 caixas bem equipadas.

Em 2005, participei de um grupo que se preocupava com a formação de Brinquedistas no Centro de Educação Profissional de Campinas (Ceprocamp) oferecendo uma prática de aprender e fazer jogos e brinquedos de sucata. O público atendido era formado de pessoas entre 15 e 80 anos, analfabetos, universitários e de preferência de desempregados.

Tabuleiros feitos de tecido, jornal trançado, papel marché e papelão.Foto: Emile Emiachon
Aprendo todos os dias com todas as pessoas, com as crianças, professores e outros profissionais, e procuro aprender também em todas as circunstâncias do dia-a-dia.

Não crio nada. Tudo já existe e eu apenas modifico dando uma roupagem ou cara nova.
Manipulando os jogos e brinquedos, consigo visualizar a transdisciplinaridade deles. Com algumas adaptações, eles servirão como recurso pedagógico para aulas de história, inglês, geografia, física e todas outras matérias. Tenho até um simulado nos moldes daqueles feitos pela Unicamp cujo tema foi o lixo, feito no Cursinho ZAP, quando ocupei o cargo de coordenadora pedagógica.

Nos últimos dois anos, ministrei 7 turmas de eco-brinquedista e através de depoimentos e avaliações, posso afirmar que quem passa pelo curso “eco-brinquedista” percebe o lixo com outra conotação, e no dia-a-dia, muda seus hábitos, mostrando um carinho especial para cada coisa que descarta.

Aos olhos do mercado capitalista, eu sei que estou regredindo, porque procuro não consumir tanto e, ainda tento abrir os olhos de quem o faz. Virei uma catadora de lixo que não consegue passar perto de uma caçamba ou entulho sem esticar o olho e muitas vezes aproveitar coisas que lá não deveriam estar.

Mudei minha relação com o lixo, porque consegui ver nele duas coisas importantes:
- Grande problema da atualidade
- Solução possível

O primeiro caso acontece nas grandes metrópoles que já não têm onde colocar o lixo, alugando espaços em outros países e locais, encarecendo este serviço para a população.

O lixo é o vilão que polui água, ar e terra, mas só é tratado com desprezo, pois as pessoas misturam papéis com óleo, borra de café, papel higiênico sujo, curativos, cascas de frutas, frascos de vidros, recipientes de plástico, metais com os mais variados produtos, tornando-o inviável para a reciclagem.

No segundo caso, grande porcentagem do lixo não é lixo, podendo ser reutilizado e reciclado.
Pra mim o lixo brilha feito ouro, pois vejo nele a matéria prima para todo o trabalho que desenvolvo e milhões de toneladas desta matéria prima para infinitas utilidades.

A catação de lixo é atualmente um subemprego, mas que garante o sustento de milhares de famílias e ajuda na sustentabilidade do planeta. Campinas já tem mais de dois mil catadores independentes e 14 cooperativas. As cooperativas desenvolvem um trabalho mais humanitário, com carteira assinada e garantia de um preço melhor para o lixo que será reciclado.

Muitas pessoas pensam que reciclar o lixo é separá-lo em recipientes especiais para cada tipo de produto. Isto faz parte do que chamamos de coleta seletiva. A separação deste material é fundamental e é importante saber que do outro lado do nosso lixo tem um ser humano que se sustenta, sustenta a família e vive dele. Muitas vezes, conversando com os catadores e visitando as cooperativas, sinto compaixão por estas pessoas, sabendo por elas, que grande parte do lixo não é possível ser vendida. Isso por minha culpa, nossa culpa e, principalmente daqueles que mais produzem lixo e querem ficar livre dele de qualquer forma.

Conforme Al Gore: "Temos tudo o que precisamos para salvar a integridade de nosso planeta, exceto a vontade política".

Vimos no natal uma campanha milionária para reutilizar 1.200.000 garrafas pets, como enfeites da cidade de Campinas, e nunca vimos tal campanha para reciclagem das mesmas que obstruem bueiros, acumulam-se em terrenos baldios e são responsáveis por grande parte dos desastres ambientais urbanos.

Campinas possui 900T/dia de lixo sendo 3% deste total a porcentagem reciclada. Que vergonha! Eu também faço parte desta estatística e quero contribuir para aumentar a porcentagem de reciclagem em 2008.

Aos 56 anos de idade, 31 anos de magistério, nesse início do século XXI, em plena era das comunicações, eu me admiro e ao mesmo tempo fico surpresa quando percebo meu compromisso em afirmar que brincar é necessário para todos nós, saudável para a mente e corpo, pode ser um modo prazeroso de aprender e criar regras e burlá-las também, envolve diferentes linguagens (afetiva, espontânea, simbólica, imaginativa, universal, gestual, oral), é uma atividade inserida num universo cultural local e global. Tem importante potencial de criação e abertura para novos significados e relações com parceiros que também gostam de brincar, envolve os participantes em pura emoção, permite a interação de forma a possibilitar a compreensão entre as pessoas, sentimentos e os vários conhecimentos, conhecer e respeitar regras de convivência social, fazer escolhas (temas, papéis, objetos, parceiros, tipos de jogos) e sentir a sensação de liberdade, errar e aprender, refazer, repetir muitas vezes até esgotar-se, pensar e repensar conhecimentos. Brincar é tão antigo quanto a origem do ser humano. Brincar é pedagógico.

Tenho mania de continuar aprendendo e aprendendo com crianças. Certa vez, numa conversa que aconteceu em janeiro de 2006, no avião que seguia para Porto Alegre, do meu lado sentou-se uma menina de 7 anos com sua “filha” - uma boneca. Ela colocou o cinto de segurança na “filha” e depois nela, aí olhou em volta e procurando conversa, me perguntou:
- Como você se chama?
- Sou Zamira e você?
- Larissa. Para onde você está indo?
- Vou fazer um curso de brinquedista na Universidade Federal de Porto Alegre.
- O que é isso?
- É um curso para que eu aprenda a brincar. Depois vou ensinar às professoras e monitoras a brincar, e elas ensinarão às crianças.
Ela ficou séria, pensativa e logo em seguida, sorrindo, completou.
- Mas não precisa! Criança já brinca!

Aquela afirmação me paralisou por momentos, fiquei sem palavras... Passei a refletir muito esta verdade incontestável! E me faz perguntar: porque estudar tanto sobre o brincar?

Desde então, cada vez mais, busco compreender os processos e mecanismos pelo qual o ser humano aprende, e como o brincar pode contribuir na formação de cada ser. Estou comprometida no aprofundamento e nas pesquisas que visam ajudar com o processo de ensino/aprendizagem.

Os jogos e brinquedos são divulgados pela Apostila Virtual e faço questão que usem, abusem e divulguem todo o material que apresento. Os interessados na Apostila podem escrever para zamiranunes@gmail.com.

Tereza Miriam Pires Nunes é professora da rede municipal de Campinas (SP) e integrante do Plano Municipal de Educação Ambiental.

http://www.comciencia.br/comciencia/handler.php?section=8&edicao=32&id=372

Belo: a breve história de uma idéia

Por Taisa Helena P. Palhares

Se alguém em nossos dias quisesse descobrir na produção artística contemporânea a manifestação dos conceitos de beleza forjados por nossa cultura, sua tarefa com certeza seria malograda. Sua busca teria maior sucesso se analisasse os cartazes publicitários, as revistas, as produções televisivas, a moda, ou seja, se recorresse a toda produção do mass media, pois há muito tempo a Arte deixou de ter a supremacia neste assunto. Tentar alcançar hoje uma noção mais ou menos nítida de Belo não implica, como na época moderna, voltar-se para as artes.

Essa situação revela algo que na maior parte do tempo é esquecido pelo senso comum: tanto a Arte quanto o Belo são categorias históricas. E mais, a noção tão difundida de Belas-Artes só se consolida nos século XVIII e XIX. No mundo antigo, a arte é, enquanto techné, qualquer atividade humana que implica um determinado saber fazer ordenado, uma habilidade característica para execução de uma coisa. O que distingue, por exemplo, a pintura da agricultura neste caso é que a primeira é uma arte da imitação, enquanto a segunda é produtiva. Para Platão, quem imita não possui um saber propriamente dito, logo sua arte nem será verdadeiramente uma arte. Além disso, o pintor e o escultor imitam sobretudo a aparência das coisas, dos seres vivos, da natureza. Eles produzem uma representação distorcida daquilo que em si já é uma imagem das Idéias, cujo conhecimento só pode se dar mediante o pensamento racional. Como conseqüência, em sua república ideal o filósofo grego resolve banir todos os artistas imitativos.

Por outro lado, durante a Antigüidade e Idade Média se constrói uma rica metafísica do Belo que será fundamental para compreensão do Belo artístico a partir do Renascimento. Sob influência do pensamento de Pitágoras, para quem o princípio de todas as coisas é o número, o Belo será associado a conceitos como ordem, proporção, harmonia, simetria e forma. Do mesmo modo que um corpo belo ou uma bela flor revelam a ordenação matemática do mundo, o belo na arte deve guiar-se pela proporção matemática e pela simetria. Para tradição pitagórica, o exemplo a ser seguido é o do belo natural: a harmonia do cosmo e da natureza.

Uma outra relação importante efetuada pelos antigos é a associação entre o conceito de Belo e as noções de Verdade e Bem. Nesse sentido, será belo tudo o que é verdadeiro, justo e bom. Para o pensamento cristão, Deus como a Verdade e o Bem em si, é também identificado ao Belo em si. A corporificação da beleza no mundo nada mais é do que a manifestação da divindade. Essas breves observações apontam para o valor ontológico do belo no pensamento pré-moderno. A qualificação estética do belo representa, na história ocidental das idéias, uma desvalorização de sua valência original.

Contudo, há de se notar que a exigência de observação do belo natural como origem do belo artístico já vinha sendo questionada por alguns pensadores. Durante o Renascimento, torna-se muito popular e comentada a seguinte história sobre o pintor Zêuxis: tendo de representar Helena, ele reúne cinco jovens belas e escolhe de cada uma os aspectos mais belos, compondo-os numa imagem que não tem equivalência na natureza. Por outro lado, Cícero explica que Fídias, ao esculpir seu Zeus, não se baseava em um indivíduo real, mas numa idéia de beleza presente em sua mente. Segundo Plotino, as artes não imitam as coisas visíveis, antes se elevam às formas ideais, das quais decorre a própria natureza. As discussões sobre essas histórias indicam o movimento, fundamental para compreender a concepção de Arte do Renascimento, de valorização da atividade artística como cosa mentale, como disse Leornado da Vinci, em primeiro lugar, e da relação intrínseca entre belo e arte. Na verdade, a partir de agora, o artista deve se basear em uma Idea, uma forma a priori, ou no Cânone, obra na qual se encarnam todas as regras da arte, como uma espécie de lei. A produção pictórica de Rafael é o exemplo mais cabal desses pensamentos, o grande arquétipo de todo Classicismo posterior, no qual vingará de vez o conceito de Belo Ideal (Rafael, Nossa Senhora Sistina, 1513-14, Gemäldegalerie, Dresden).

Uma das mais importantes transformações na história do pensamento sobre o belo artístico no Ocidente ocorre no final do século XVIII com o livro Crítica da Faculdade do Juízo (1790) do filósofo Immanuel Kant. Nele, Kant dá forma cabal a uma nova sensibilidade que tentava entender o papel do gosto no julgamento artístico. Neste momento, o belo, que antes era um atributo das coisas ou das obras de arte, passa a ser a experiência de um prazer desinteressado. Essa guinada subjetiva do conceito irá alimentar grande parte da estética e da arte modernas. Ela representa também o ocaso definitivo das poéticas dogmáticas e seus cânones acadêmicos.

Paralelamente, outros valores conquistam legitimidade no campo artístico. Tudo o que parecia ter sido condenado pelo ideal clássico começa a receber uma nova avaliação: o informe, o grotesco, o estranho, o tenebroso, o feio, o diferente, o ilimitado, o desproporcional, o obscuro são defendidos enquanto possíveis valores estéticos. O Belo vai perdendo espaço para noção de Sublime no espírito dos artistas. Não que esses atributos tenham ficado ausentes da história da arte até então. Basta pensarmos nos movimentos maneirista e barroco, em Caravaggio e Rembrandt, para citarmos dois exemplos mais conhecidos. Ambos transgrediram as convenções e costumes em suas figuras realistas muitas vezes disformes nas quais se reconhece uma busca da verdade e o desprezo pelo ideal canônico de beleza (imagens). Não por acaso, eles estabeleceram afinidades com o trabalho dos pintores do século XIX.

É exatamente na segunda metade daquele século que o filósofo alemão Friedrich Nietzsche irá teorizar, em O Nascimento da tragédia no espírito da música, sobre a duplicidade constitutiva da cultura ocidental. Para ele, já no espírito grego, coloca-se a oposição entre um impulso comtemplativo-formal (o apolíneo) e um doloroso e obscuro impulso dissoluto-extático (o dionisíaco). No mesmo momento, o Romantismo procura, no que provavelmente representa a última grande teorização sobre o conceito de Belo artístico, acolher numa espécie de co-presença essas oposições. Para concepção romântica de beleza finito e infinito, vida e morte, eterno e transitório, totalidade e fragmento, razão e coração são qualidades que devem conviver em dinamismo constante na obra de arte. O poeta e crítico de arte francês Charles Baudelaire é quem de forma lapidar apresenta essa nova concepção de beleza no ensaio O pintor da vida moderna: “O belo é sempre e inevitavelmente uma dupla composição, ainda que a impressão que ele produz seja uma só (...) é feito de um elemento eterno, invariável, cuja quantidade é extremamente difícil de ser determinada, e de um elemento relativo, circunstancial, que será, vamos dizer assim, sucessivamente ou tudo junto, a época, a moda, a moral e a paixão. Sem esse segundo elemento, que representa algo como a cobertura divertida, saltitante, aperitiva, do divino bolo, o primeiro elemento seria indigesto, impossível de ser apreciado, não adaptado e não apropriado à natureza humana. Duvido que se encontre uma amostra qualquer de beleza que não possua esses dois elementos”. Pois, “o belo é sempre bizarro”, ele “contém sempre um pouco de estranheza, que o faz ser particularmente Belo”, afirma o poeta em outro momento.

O pintor E. Manet será o responsável por dar corpo a essa noção de beleza em sua Vênus moderna, Olympia, pintada em 1863. Provocador, Manet retoma o cânone clássico da Vênus de Urbino de Ticiano para metamorfoseá-la na figura de uma mulher venal. Nessa tela, a beleza desce de seu céu metafísico, transcendente, para habitar as coisas mais prosaicas e mundanas. Obra-manifesto, Olympia é definitivamente o maior ícone da beleza moderna.

No século XX, o conceito de belo é definitivamente desvalorizado no âmbito da arte (e provavelmente por esse motivo tenha migrado para outras “regiões”). O que não significa que o público tenha abdicado completamente de uma noção conservadora de beleza em seus julgamentos estéticos. Na verdade, é conhecida a péssima recepção que as pinturas de H. Matisse encontravam em sua época. Após a primeira apresentação pública de uma de suas obras-primas, Dança (II) (1910), a reação foi de espanto e horror, sendo que os adjetivos utilizados para classificá-la foram: primitiva, grotesca, diabólica, bárbara e canibalesca (naturalmente em sentido pejorativo).

Evidentemente, uma história de mais de dois mil anos não pode ser apagada da noite para o dia. Quando afirmamos que o Belo se enfraquece enquanto valor estético ou idéia reguladora não quer dizer que ele não esteja presente aqui e acolá. Contudo, o que parece não existir é uma nova concepção, algo que seja próprio do momento contemporâneo. O que há sim, é uma restituição de algumas das idéias forjadas no decorrer da história. Uma espécie de sobrevida que irrompe nos locais os mais inesperados (pensa-se aqui, por exemplo, na arte abstrato-geométrica de Mondrian). Voltando ao nosso inquiridor inicial, talvez o grande desafio fosse refletir, a partir da produção exemplar de um artista contemporâneo como é o caso do norte-americano Matthew Barney, sobre os caminhos às vezes inusuais da sensibilidade atual, habituada ao poder de recriação e modificação sem limites das formas naturais, neste caso do próprio corpo humano.

Taisa Helena P. Palhares é graduada em Filosofia pela Universidade de São Paulo, onde desenvolve tese de doutoramento desde 2005. Recentemente publicou o livro Aura: a crise da arte em Walter Benjamin (Editora Barracuda, Fapesp, 2006).

http://www.comciencia.br/comciencia/handler.php?section=8&edicao=15&id=145

Outro sistema é possível?

Reportagem de Marina Mezzacappa

O consumo excessivo é apontado pelo movimento ambientalista como o grande responsável pela pressão sobre os recursos naturais. Mesmo fora do movimento, é praticamente consensual que a manutenção dos padrões atuais de consumo levará ao esgotamento dos recursos do planeta em um futuro não muito distante. Diante desse prognóstico, a alteração no modo de consumir é apontada como única solução. Surge daí a questão: outro consumo é possível? Visto que o consumo não é apenas uma questão de hábitos e comportamentos dos consumidores, mas de produção, políticas de desenvolvimento, produtos disponíveis, cultura de consumo, outra questão emerge: outro sistema é possível?

Algumas mudanças relacionadas ao consumo estão em curso, ainda que muitas vezes representem intervenções pontuais. Aparelhos que consomem menos energia, reuso da água, reciclagem de papel e de outros materiais, substituição das sacolas plásticas descartáveis por outras de pano e a aposta nos biocombustíveis são alguns dos exemplos. “Os alertas sobre a crise ambiental percorrem décadas e estão aí alguns resultados, como políticas públicas, ONGs e iniciativas de educação ambiental”, afirma Aloisio Ruscheinsky, sociólogo e professor da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos). Diversas organizações foram criadas visando conscientizar a população sobre a necessidade de um consumo consciente, como o Instituto Akatu, e muitas outras aderiram à causa, como o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) e o Instituto para o Desenvolvimento, Meio Ambiente e Paz (Vitae Civilis).

Contudo, ainda não houve uma mudança estrutural nos padrões de consumo. A sociedade de consumo parece se retroalimentar e demonstra uma capacidade de influência muito superior a das instituições e vozes que preconizam alterações profundas. “Quem detém mais poder? A mídia, sustentada pela propaganda, instigando o consumo ou os obstinados ambientalistas?”, questiona Ruscheinsky. “As vozes de crítica ao consumo em massa têm sido ainda marginais ao processo social e mesmo dentro da academia e da produção do conhecimento”, completa.
Para Pedro Roberto Jacobi, professor da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP) e coordenador do Teia- Laboratório de Educação e Ambiente, a lógica atual de consumo transcende ideologias e governos. Por outro lado, consumir também passou a significar muito mais do que apenas suprir necessidades. “O ‘status' da pessoa é, muitas vezes, medido pelo que consome e não pelo que possa ser necessário e útil em sua vida”, lembra Silvia Aparecida Guarnieri Ortigoza, geógrafa e professora da Universidade Estadual Paulista (Unesp) de Rio Claro, em seu artigo “Consumo sustentável: um compromisso de todos”. As profundas transformações, necessárias para garantir a sustentabilidade, encontram grandes obstáculos nessa sociedade em que o consumo está fortemente arraigado e na qual as pessoas estão constantemente insatisfeitas e são regidas justamente pela busca incessante da satisfação de todos os seus desejos.

Novos modelos
Apesar das dificuldades para efetivarem-se, novas formas de consumir são consideradas viáveis por quem as defende. “O Akatu só existe porque acredita que um outro consumo é possível”, enfatiza Raquel Diniz, coordenadora da área de capacitação comunitária do Instituto. Segundo ela, esse outro modelo possível baseia-se na consciência dos impactos gerados pelo consumo e dos limites dos recursos do planeta e na reflexão sobre valores e responsabilidades. Contudo, Ana Lucia Cortegoso, psicóloga, doutora em psicologia da educação e professora da Universidade Federal de São Carlos (Ufscar), considera que ainda é incipiente e insuficiente o nível de percepção que a humanidade tem da relação entre as ações individuais e os problemas globais.
Muitos grupos lutam para reverter esse quadro e diversas expressões foram cunhadas para se referir a esses novos modos de consumir: consumo sustentável, consumo ético, consumo responsável, consumo consciente, entre outras. Em geral, todas evidenciam o papel decisivo das escolhas do consumidor, que deve optar por suprir suas necessidades sem comprometer a capacidade do planeta de fornecer recursos naturais para as gerações futuras e de absorver os impactos negativos provocados pela produção, utilização e descarte dos produtos. Para que isso aconteça, de acordo com Jacobi, alguns paradigmas da sociedade industrial terão de ser repensados, como o uso intensivo de energia e insumos. “O consumo sustentável implica necessariamente numa politização do consumo”, afirma. Para ele, esse modelo transcende as mudanças comportamentais ou apelos mercadológicos orientados aos consumidores individuais, enfatizando uma escala de valores que rompe com a lógica mercadorizada.

“Queremos despertar o consumidor para o seu papel de protagonista na mudança do consumo”, explica Diniz. Por isso, o Akatu aposta no consumidor consciente como multiplicador desse ideal e agente indutor de políticas públicas e ações empresariais. “As pessoas acham que são impotentes e que sozinhas não vão mudar nada. O grande desafio é fazer com que elas entendam seu papel e saiam do automático na hora de consumir”, avalia ela. Para “sair do automático”, segundo Cortegoso, os consumidores precisam compreender o que os motiva para o consumo e atuar sobre essas motivações.

Para Diniz, a partir daí, o primeiro passo é reconhecer que cada ato de consumo gera um impacto. “Muitas pessoas esquecem, mas para fabricar e transportar qualquer tipo de produto, gasta-se água e energia”, pontua. Refletir sobre esses impactos é o primeiro dos 4 Rs, que englobam também reduzir, reutilizar e reciclar. “Deve-se educar primeiramente para a redução, afinal nem tudo que consumimos é realmente uma necessidade”, aponta Ortigoza, lembrando que é preciso distinguir as necessidades “reais” daquelas “criadas” pela mídia.

Contudo, apenas modificar os hábitos de consumo a fim de reduzir os efeitos ambientais negativos não basta. É preciso diminuir a pressão sobre os recursos naturais. “É necessário termos a habilidade de buscar o equilíbrio entre o que é ecologicamente necessário, socialmente desejável e politicamente atingível”, salienta o ativista holandês Manus van Brakel em seu artigo “Os desafios das políticas de consumo sustentável”. Para ele, a busca de um benefício social máximo a partir da utilização mínima dos recursos naturais requer uma espécie de revolução industrial ecológica “que leva a transportes bem menos intensivos no uso de energia, a uma maior utilização de recursos secundários do que primários, a produtos mais facilmente reparáveis e a uma agricultura com baixo nível de insumos externos”.

Outros atores
Além dos próprios consumidores, outros atores precisam mobilizar-se para garantir uma troca de paradigma. “A sustentabilidade se garante por meio de mudanças nas práticas sociais e de uma crescente co-responsabilização dos diferentes agentes econômicos e da sociedade civil”, ressalta Jacobi. Ruscheinsky vê a necessidade de elaboração de um “pacto ou contrato social” que defina o grau de impacto e de intervenção no ambiente que se considera permitido ou inevitável. Nesse sentido, os governos figurariam como espaços de negociação do conflito. “Cabe ao governo ser mediador da construção de um projeto social que se importe com o futuro mais do que com os ganhos políticos de ações em curto prazo”, pondera Cortegoso.
Já as empresas, para Jacobi, além de um papel estratégico de comunicação e sensibilização, têm um dever ético de não produzir bens insustentáveis. “Quanto maior o número de empresas que produzem madeira certificada, papel certificado e reciclado e outros bens resultantes de reciclagem e reaproveitamento, menor o impacto ambiental”, lembra.

Apropriação do discurso
Se, por um lado, a adesão, ainda que parcial, das empresas ao discurso ambiental diminui a pressão sobre o meio ambiente, por outro, o próprio discurso de sustentabilidade ganha contornos de mercadoria e aumenta o consumo. “A institucionalização da questão ambiental é um bem e um mal, isto é, está permeada de ambigüidades e contradições”, reflete Ruscheinsky. Muitas vezes, o “selo verde” almejado para seus produtos é entendido pelas empresas apenas como um atrativo e diferencial na hora da escolha do consumidor, e não como uma imposição necessária à manutenção dos recursos do planeta. “A lógica com que as empresas se apropriam de um outro discurso e pela qual cumprem com as exigências das políticas ambientais refere-se ao ganho de competitividade internacional”, frisa o pesquisador. Ao manter essa lógica interna, as empresas não contribuem efetivamente para a mudança de paradigmas.

Outros aspectos permeados de ressalvas são o alarde sobre os impactos do consumo e o radicalismo na proposição de outros modelos. “Na sociedade do consumo efêmero, é usual que tudo seja visto como passageiro”, lembra Ruscheinsky. Por isso, a manutenção de posturas firmes e a reiterada ênfase nos riscos do consumo exagerado para o meio ambiente podem ser eficazes para a mobilizar a população na medida em que a memória social é cultivada, suscitando a contestação.

Por fim, em um contexto no qual 20% da população mundial é responsável por 86% dos gastos com consumo individual, segundo relatório de 1998 do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), os especialistas são unânimes: é fundamental discutir como garantir o acesso aos bens mínimos necessários para a sobrevivência dos amplos contingentes populacionais que ainda encontram-se à margem do consumo sem que isso comprometa ainda mais a sustentabilidade do planeta.

http://www.comciencia.br/comciencia/handler.php?section=8&edicao=36&id=432